Como o livro 12 regras para a vida me tirou da lama
Livros recomendados

Livro 12 regras para a vida – Resenha completa

Resenha sobre o livro 12 regras para a vida que já está está no meu TOP 10, pois foi uma descoberta pessoal e tanto. Aliás, acreditem ou não, mas este livro mudou minha vida de uma forma que nunca achei que fosse possível. Como funcionou para mim com certeza pode ser de grande ajuda para qualquer um.

As 12 regras são dicas simples, mas essenciais para quem busca melhorar ou encontrar um propósito na vida. Por incrível que pareça, estamos tão habituados a pensar sempre da mesma forma, que não conseguimos, pelo menos não sozinhos, enxergar as possibilidades que estão bem na nossa cara.

Não é um livro entediante e nem cansativo, pois há muitas histórias que vão desde mitologia, filosofia, psicologia e muito mais.

Além do mais, o livro 12 regras para a vida trata sobre a importância de confiarmos no nosso próprio potencial.

Talvez, para você que ainda não leu, a impressão seja um monte daqueles “blá blá blá”. Mas não se engane! O livro 12 regras para a vida é um tapa na cara (e tem hora que até chegar a doer).

Quer saber como o livro Doze regras para a vida me tirou da lama?

Então acompanha esse post, pois vou contar tudo para vocês. Ah! E inclusive vou usar alguns trechos do livro que são geniais. Mas antes, vou responder algumas dúvidas, ok?

Tá preparado? Então bora!

O livro 12 regras para a vida é de autoajuda?

Sim, mas por ser algo único, não é justo incluí-lo em A ou B.  Em outras palavras, o livro 12 regras para a vida é complexo demais para ser resumido em um gênero. Não é certo, nem justo.

Sempre fui cética e bastante pé atrás com livros de autoajuda. E é verdade que eu passava reto por esses livros tanto nas livrarias quanto nos sites. Mas por que? Bom, eu achava que escritores assim eram charlatões modernos, que se aproveitavam da dor alheia. Livros de autoajuda eram, na minha visão, como uma isca para idiotas (pronto falei). Fora o fato de serem clichês. Simplesmente ignorava.

Ah, e é importante deixar claro que AINDA considero a maioria dos livros de autoajuda ruins e sem nada a acrescentar. Desculpe, mas é melhor ser sincera né? No entanto, 12 regras para a vida é diferente de tudo que já li (e olha que já li muito).

Mas por que é tão diferente?

Por exemplo: não há nada do niilismo contemporâneo que lotam os livros de autoajuda atuais.

Além do que, diferente dos livros de autoajuda atuais, tem muita coisa sobre neurociência. Ou seja, não é achismo, ok? São estudos e pesquisas. Também tem cultura e muita informação boa.

Para vocês terem noção, acredito tanto, MAS TANTO, nas força das ideias desse livro q comprei mais de 5 cópias. Uma para mim e outras p/ presentear. E ainda quero a versão impressa, pois a minha está no Kindle. Sim, sou dessas.

O livro doze regras para a vida é sobre religião?

O livro 12 regras é baseado no resgate de valores. Apesar de conter análises sobre histórias bíblicas, o tema central não é religião. Aliás, Peterson é fã de livros milenares. Não apenas da Bíblia, como também de outros livros, que são citados.

Aliás, agora vou usar um trecho do livro 12 regras para que você consiga entender um pouco mais sobre como o autor aborda a parte da religião. Esse trecho é sobre a serpente no Jardim do Éden, que é a história da criação do mundo.

 

“No terceiro verso do Gênesis, uma serpente surge. Há tempos tenho quebrado a cabeça para entender o significado disso. Mas aprendi que essas histórias antigas não têm nada de aleatório. Qualquer coisa acidental, que não sirva à trama, foi deixada de lado há muito tempo”

 

Nesse trecho Jordan tenta entender o simbolismo da serpente no Paraíso. E afinal, q raios isso quer dizer?

Em suma, ele estava falando sobre a ordem e o caos. Que assim como no símbolo do Ying Yang, a ordem e o caos coexistem. Por que? Pois se não houvesse CAOS, como poderíamos definir o que é ORDEM? O inverso também se aplica. A ordem precisa do caos para existir.

É mais ou menos como a tristeza e a felicidade. Só sabemos o que é tristeza, pois já estivemos felizes um dia.

A conclusão é, portanto, de que a serpente representa o caos e que nem mesmo o Paraíso está imune ao caos. Assim é nossa vida. Por mais que tentemos manter a ordem, cedo ou tarde, o caos emergirá.

Por exemplo, imagine um pai super protetor (e louco né) que resolve trancar seu filho no porão para livrá-lo dos perigos do mundo exterior, como violência, drogas e álcool. Ainda que funcionasse, este pai estaria criando outros problemas, talvez até piores, tais como o infantilismo permanente e a inutilidade.

 

“Você prefere que seus filhos estejam seguros ou que sejam fortes? É muito melhor tornar aptos os seres que estão sob sua responsabilidade do que protegê-los”

 

A verdade (e o recado) é que não adianta viver cercado por um muro, e muito menos cercar outras pessoas junto de você. A serpente vai chegar e seu muro não terá servido para nada. É melhor, portanto, que você, bem como as pessoas que você se importa, estejam preparadas.

E pasmem, mas às vezes, por incrível que pareça, a serpente está dentro de nós. Nada impede que a serpente interior seja o seu próprio caos. Sinistro, né? Porém não dá para discordar. Às vezes, nosso maior obstáculo, é nosso próprio derrotismo.

Entendeu melhor como é a abordagem sobre a religião?

Agora vamos falar sobre o autor de 12 regras para a vida.

Who the fuck is Jordan Peterson?

Jordan B. Peterson é canadense e nasceu em 1962. É psicólogo clínico, professor e escritor. Fora isso, já atuou como consultor do secretário geral da ONU e é entusiasta em vários assuntos de interesse popular.

Seus artigos científicos transformaram a compreensão moderna da personalidade. Sua primeira obra também foi um best seller e se chama “Maps of Meaning: The Architecture of Belief”.

Como palestrante, ele também faz sucesso na internet com vídeos sobre vários temas que vão desde mitologia a até o sentido da existência.

Recentemente Jordan Peterson enfrentou uma série de problemas graves de saúde. Como se não bastasse, descobriu que sua esposa tem câncer nos rins e que infelizmente não tem cura.  Além das tragédias pessoais, surgiram os haters. Francamente não entendo o motivo de tanto incômodo, mas como ele mesmo diz:

“Se você acha que homens durões são perigosos, espere até ver do que são capazes os homens fracos”.

As famosíssimas 12 regras. Acompanhe tudo sobre o livro 12 regras para a vida

Assumo que fiquei preocupada em falar demais e estragar o impacto do livro. Mas sinceramente? A verdade é que não tem como isso acontecer. Então é importante deixar claro que só lendo o livro inteiro é que você conseguirá absorver tudo a ponto de suprir a sua necessidade, seja ela qual for.

A propósito, não estranhe os títulos das regras. São divertidos de propósito, mas possuem um significado bem mais profundo do que parecem.

Mas vamos logo ao que interessa né? Prepare-se, pois o impacto dessas mensagens é enorme.

1 – Primeira Regra: Costas eretas, ombros para trás.

(E a neuroquímica da derrota e da vitória)

A primeira regra começa explicando um pouco mais sobre as lagostas. Aliás, é muito interessante. Por que? Bem, pois as lagostas são animais milenares que surgiram antes mesmo dos dinossauros. No entanto, são muito mais parecidas com a gente do que você poderia imaginar.

As lagostas disputam territórios por meio de duelos. As lagostas perdedoras ficam reclusas e encolhidas enquanto as vencedoras adotam posturas imponentes. Para piorar, com o tempo, é provável que as lagostas derrotadas continuem perdendo novos duelos. Do mesmo modo, as vencedoras, seguem ganhando. Por conta disso, são mais temidas e menos desafiadas.

E com nós, seres humanos, não é diferente.

Algumas pesquisas mostraram que altos níveis de serotonina foram encontrados nas lagostas vitoriosas. Em relação às derrotadas, pesquisas descobriram baixos níveis de octopamina.

E você tem noção de que o mesmo acontece conosco? Pois é!  A carência de serotonina indica ansiedade, depressão, dor e maior propensão ao aparecimento de doenças. Nossos sentimentos tem o poder de produzir substâncias químicas em nossos corpos. Sentimentos positivos são, portanto, sinônimo de bem estar.

A forma como você se comporta entrega o modo como você pensa.

Por exemplo, sabe as crianças que sofrem bullying? É comum que os abusadores escolham suas vítimas, com base na forma em que se comportam. Óbvio que eles evitam crianças fortes. Não falo apenas no sentido físico, mas principalmente psicológico. A introspecção e timidez  são características de suas vítimas.

Cuide da forma como se comporta, pois nem toda mensagem é verbal. Imponha-se e dê suas opiniões.

Depois de ler esse capítulo, passei a ficar mais atenta à minha postura. Mesmo que eu esteja na merda, eu não demonstro. Ao parecer forte, quem está ao meu redor, acredita que sou forte. Parece até óbvio, não é mesmo? Mas não é.

Segunda Regra – Cuide de si mesmo como cuidaria de alguém sob sua responsabilidade.

Você é importante para outras pessoas, tanto quanto para si mesmo. Você tem um papel vital a desempenhar no destino que se desenrola no mundo. Portanto, você é moralmente obrigado a cuidar de si mesmo. Cuide, ajude e seja bom consigo mesmo da mesma forma que cuidaria, ajudaria e seria bom com alguém que você ama e valoriza.

Embora seja bizarro, logo no começo desse capítulo há uma constatação assustadora: As pessoas cuidam melhor de seus bichos do que delas mesmas. Fora isso, não é estranho pensar que pessoas com quadros graves de depressão ou outras doenças não tomem seus remédios?

É sim. E muito.

No entanto, ao contrário do que se imagina, esse tipo de auto negligência é bem comum. Mas por que? Por que as pessoas fazem isso com elas mesmas? As pessoas deveriam cuidar de si mesmas para que pudessem garantir os cuidados daqueles que dependem dela.  Isso é o mais lógico, certo? Sim, é verdade. Mas na prática, muitas vezes a lógica não se aplica.

Embora essas questões psicológicas sejam bem complexas, Jordan Peterson dá boas explicações (e fáceis).

Quem age assim pensa ser irrelevante. E insignificante a ponto de ter certeza que não merece tais cuidados. A consciência dessas pessoas age somente de forma negativa.

O problema é que não existe, pelo menos não ainda, nenhum remédio para a consciência. Não há nenhuma pílula que remova, como mágica, esses pensamentos.

Se até os anti heróis tem qualidades por que você não teria? Qualquer pessoa, por pior que seja, tem qualidades. Ninguém é 100% bom e nem 100% ruim. Enxergar apenas os defeitos e se punir dessa forma não é, nem de longe, aceitável.

O que você espera da vida? Onde você quer chegar? Tenha em mente um objetivo e trace um caminho.

Terceira Regra – Seja amigo de pessoas que queiram o melhor para você (Uma das mais importante do livro 12 regras para vida)

Com muita história, Jordan começa esse capítulo contando sobre sua infância no norte do Canadá.  As temperaturas chegavam a 40 graus negativos no inverno. Aliás, o modo como o autor descreve o dia a dia e a rotina da cidade são pontos altos do livro.

Naquela época, Jordan tinha um amigo de infância que se chamava Chris. Esse, por sua vez, tinha um primo que se chamava Ed. Os três saiam e se divertiam, porém Chris e Ed começaram a se desviar para caminhos mais marginalizados. Jordan explica que foi fazer faculdade, saiu da cidade e anos mais tarde eles voltaram a se encontrar. Ao invés de evoluírem, os dois decaíram. Bebiam muito e fumavam muita maconha. Não tinham empregos e nem responsabilidades.

Vale deixar claro que Jordan não é contra maconha. Ele até explica casos em que seu uso é positivo. Porém, esse não foi um deles.

Chris acabou se suicidando com pouco mais de 30 anos, ele nunca conseguiu encontrar seu propósito na vida. É triste,  pois ele era um cara inteligente e com muito potencial.

Mas nem todos que fracassam são vítimas e nem todos que estão no fundo desejam subir, embora vários queiram e vários consigam. Contudo, as pessoas geralmente aceitam ou até amplificam o próprio sofrimento”

Por que Chris continuamente escolheu pessoas e lugares que não eram bons para ele? Para entender isso, é necessário ler o livro. Embora a explicação seja extensa, é esclarecedora.

Agora é provável que você pense: “Ah então eu só preciso me cercar de pessoas que tenham objetivos iguais aos meus. Ok, isso é fácil.”

Verdade que parece fácil, né? Mas não é.

Como você sabe que suas tentativas de puxar alguém para cima não o levarão mais para baixo?

Sem dúvidas, esta é uma das perguntas mais desafiadoras Como saber a diferença entre uma vítima e alguém que, embora pareça querer melhorar, só busca amplificar o seu próprio sofrimento?

Claro que pessoas que não querem melhorar não são fáceis de identificar. Afinal, elas agem o tempo todo para lhe convencer do contrário.  Contudo, é possível sim. E vc precisa ficar MUITO atento para não cair nessa. Por isso a necessidade de ler o livro na íntegra.

Fora estas constatações, esse capítulo ainda aborda outra hipótese:

Você tenta ajudar os outros pois quer q eles melhorem ou usa isso para alimentar seu próprio ego? Qta verdade há, de fato, na sua boa ação?

Para compreender mais, leia! Não há conselho melhor.

Quarta Regra – Compare a si mesmo com quem você foi ontem, não com quem OUTRA pessoa é hoje

Eu coloquei o OUTRA em caixa alta, pois se você não entender isso, não terá entendido nada. As pessoas tem a péssima mania de se compararem aos outros. Isso é péssimo! Os OUTROS são problemas deles. Você deve se comparar a VOCÊ mesmo. Pois VOCÊ é seu único problema. Os OUTROS não tem nada a ver com isso.

O problema de se comparar aos outros é que sempre haverá alguém com mais qualidades do que você em algo. Ao se comparar, você se sentirá eternamente incompetente.

“Você é um bom guitarrista, mas não é o Jimmy Page ou o Jack White. Você é um bom cozinheiro, mas há muitos grandes chefs”

Por outro lado, ao se comparar com pessoas de menos sucesso, você também cria uma falsa sensação de superioridade, pois do mesmo modo, sempre haverá alguém com menos habilidades em algo.

Para piorar, as redes sociais amplificam a comparação errada. Ao acompanhar todos os dias a vida dos outros, você se sente cada vez mais infeliz. Você esquece que está vendo apenas uma pequena parcela do dia daquela pessoa. Além do mais, esquece q só está vendo oq ela quer que você veja. Dessa forma, vc se compara, portanto, com algo que nem sequer existe.

Entenda, de uma vez por todas, q não existe vida perfeita. Todos possuem seus problemas e fraquezas, mesmo que não te contem.

De acordo com Jordan Peterson,  a comparação com alguém brilhante em uma área ou domínio pode tirar a sua motivação para qualquer coisa.

Não faça isso com você mesmo, ok? Pois ninguém é igual a ninguém em habilidades ou resultados

Caso você não tenha sucesso em algo, pode tentar outra coisa. E se esse cenário também falhar, você ainda pode criar um novo, do zero. Cedo ou tarde vc perceberá que é bom em algo que nem vc mesmo desconfiava. A vida não é como uma janela, que somente abre e fecha. A vida é um mapa, cheio de caminhos e de lugares que ainda nem foram descobertos.

A tríade do mal que só atrasa lado = Arrogância, falsidade e ressentimento.

Não alimente esses sentimentos. Por mais que eles lhe pareçam apetitosos, você precisa ser mais sagaz do que isso.

O mais correto é que você foque em pequenas coisas. Se o seu dia hoje for melhor do que ontem, você já está na vantagem. O recado é fechar os olhos para a confusão do mundo e focar nas suas pequenas tarefas. Por fim, não se esqueça: Compare-se somente com quem você foi ontem

5 – Atenção, essa é para os pais: Não deixe que seus filhos façam algo que faça você deixar de gostar deles

Em uma conversa com meu namorado, que tem um filho, mencionei essa regra. Sua reação foi defensiva: “Eu nunca vou deixar de amar meu filho”. Pois eu respondi: “Então reclame com o Jordan Peterson e não comigo”.

É óbvio que ninguém pretende deixar de amar um filho. Ninguém acorda e pensa: “Ah hoje eu vou deixar de gostar dos meus filhos”.

Acontece que, diferente do que gostamos de acreditar, crianças não são anjos e nem seres incorruptíveis. São seres humanos, e, portanto, passíveis de qualquer erro. Desse ponto de vista, a crença popular é perigosa. Por que? Bem, pois uma criança sem limites pode se tornar um adulto sem limites.

Peterson começa descrevendo situações que vivenciou envolvendo crianças em locais públicos. Além do mais, conta histórias de sua atuação como psicólogo que envolveram pais e filhos.

Problemas, principalmente na fase infantil, precisam ser corrigidos assim que identificados. Crianças sem limites despertam o desprezo das pessoas, pois incomodam. Ninguém deveria querer isso para seus filhos.

Mas qual a fórmula certa? Como impor limites sem ser excessivo? E as regras? Elas atrapalham ou ajudam?

Por que comprar o livro 12 regras para a vida?

Para você ter uma ideia, esse texto possui aproximadamente 10 mil palavras. Já o livro, possui mais de 300 páginas. Isso significa que, embora eu tenha me esforçado, é impossível reproduzir em vcs o impacto que eu gostaria.

E então, quer melhorar sua vida? Quer ganhar mais dinheiro? Você busca ser um pai ou uma mãe melhor? Você quer conseguir escolher melhor seus amigos? Quer passar uma imagem melhor de si mesmo? Eu poderia ficar aqui horas fazendo perguntas para você. Mas você já sabe a resposta. Você precisa ler o livro inteiro.

Onde comprar: https://amzn.to/3qbwFXc

Considerações finais sobre o  livro 12 regras para a vida e o nó na garanta

É difícil explicar o conjunto de qualidades que me fizeram dar o título de melhor livro p/ 12 regras para a vida. Porém, acima de tudo, sinto-me na obrigação de tentar. Como funcionou para mim, pode ser útil pra mais gente.

Aliás, o final do livro, bem como algumas outras partes, me levou às lagrimas. A dor da nossa alma, não é só nossa. E por alguma razão, há conforto nisso.

As rédeas de nossa vida estão em nossas mãos. Por mais que o caminho seja tortuoso, é somente a caminhada que nos fará mais fortes. A responsabilidade da sua vida é sua. Somente sua. Pare de culpar os outros. Não culpe o mundo. Culpe a si mesmo.

Não dê desculpas e nem deixe a vida passar enquanto olha para o teto. Sempre existe algo que possa ser feito melhor. Por menor que seja, faça algo melhor do que fez ontem.

E então, gostou desse resumo sobre o livro 12 regras para a vida? Não se esqueça de que esta é apenas uma pequena amostra e que de modo algum substitui a leitura na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.